sexta-feira, 27 de março de 2015

Ian Gordon confirma participação nas 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos

Ian Gordon                 


Ian Gordon é professor em Singapura e autor de dois livros importantes no segmento de quadrinhos, ambos ainda inéditos no Brasil: Comic Strips & Consumer Culture, sobre como as tiras ajudaram a aumentar as vendas dos jornais norte-americanos nas primeiras décadas do século 20, e Film and Comic Books, em que aborda a relação entre cinema e HQ. E é este último tema que ele irá abordar no congresso e, provavelmente, também em disciplina concentrada que ministrará no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, da ECA.
Além dele, já foram divulgadas as participações de Paul Gravett  (autor de Mangá: como o Japão reinventou os quadrinhos, lançado no Brasil pela Conrad), que irá falar sobre mangás – segundo ele, está finalizando uma segunda obra sobre o tema; e Trina Robbins, quadrinhista e autora especializada sobre o papel das mulheres nos quadrinhos.
A terceira edição do congresso será realizada entre 18 e 21 de agosto deste ano, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Interessados em apresentar trabalhos em comunicações devem visitar o site oficial – as inscrições seguem até o próximo dia 13 de abril.
Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro

Revista 9a Arte recebe contribuições


Imagem para capa da revista

A revista 9a Arte, periódico eletrônico do Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP, está recebendo artigos para o seu próximo número, que será publicado em julho de 2015. Contribuições devem ser enviadas para o endereço www.eca.usp.br/nonaarte.

A revista 9º arte recebe trabalhos inéditos, compreendendo artigos analíticos e/ ou ensaísticos, feitos a partir de pesquisas acadêmicas e realizadas por doutores e doutorandos. Trabalhos de bachareis e mestres podem ser submetidos, mas sempre em coautoria com professores doutores. A avaliação seguirá o processo de blind review.


Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro

terça-feira, 24 de março de 2015

Mesa Redonda: “DO INFERNO -- DISSECÇÃO DE UMA LENDA”


Para comemorar a volta da HQ “Do Inferno” em um só volume às livrarias brasileiras, a Editora Veneta promove, no próximo dia 26 de março, na Livraria Martins Fontes, a mesa redonda “Dissecção de uma lenda”, com os psiquiatras Durval Mazzei, Francisco Assumpção Jr. e João Paulo Martins (Jotapê Martins)

De 1989 a 1996, o inglês Alan Moore e o escocês Eddie Campbell publicaram a HQ “Do Inferno”, em 10 edições, que, em 1999, foram reunidas num só volume, versando sobre a identidade e as motivações de Jack, o Estripador, o famoso assassino da Inglaterra vitoriana.

Tendo reinterpretado de maneira incomparável cânones dos quadrinhos, em obras consagradas como“Watchmen”, “Miracleman” “V de vingança”, Moore voltou seu olhar incisivo para o mundo sórdido e enigmático dos assassinatos de Whitechapel no ano de 1888. 

PALESTRAS:

 — A trama de referências e os múltiplos sentidos de ‘Do Inferno’” (Jotapê Martins) -- As técnicas e as opções narrativas de Alan Moore, o impacto das suas obras nas Historias em Quadrinhos e a biografia científica de William Gull.

— “Como todos nós”  (Durval Mazzei) -- Reflexões da psicanálise sobre o mal

— “Ecos do Inferno” (Francisco Assumpção Jr.) Nuances psicopatológicas da graphic novel e suas perspectivas históricas, sociais e políticas.


LOCAL: Martins Fontes Livraria (Av. Paulista, 509, São Paulo, SP)
QUANDO: 26/03/2015 às 19 horas

Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro

segunda-feira, 16 de março de 2015

Ata co Colóquio Científico do Observatório de Histórias em Quadrinhos - realizado em 06 de março de 2015




Em seis de março de dois mil e quinze, ocorreu o segundo Colóquio do Grupo de Pesquisa em Histórias em Quadrinhos da ECA-USP do ano, reunindo pesquisadores, professores e estudantes com interesse no debate sobre a Nona Arte sob a coordenação do Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro. A reunião ocorreu dentro da programação da SEMANA DE EDUCOMUNICAÇÃO e contou com apresentação dos alunos Natália Sierpinsk, Adriano Leonel e Danielo Reis sobre EDUCOMICS. Iniciada às 19h30min, nas dependências do Prédio Central da Escola de Comunicações e Artes, Sala 211 (auditório), o Observatório estava representado por Roberto Elísio dos Santos, Nobuyoshi Chinen, André Oliveira, Douglas Pigozzi, Gazy Andraus, Moisés Baptista,  Regina Behar, Maurício Kanno, Washington Luiz dos Santos, Valéria Yida, Simonia Fukue Nakagawa, Bianca Agarie, Omar A. Sanches e Daniela Marino. Os demais presentes eram provenientes dos cursos de comunicação da ECA e Rádio e TV da FMU. Dando início às apresentações, os veteranos do curso de Educomunicação da ECA versaram sobre as aplicações pedagógicas das HQs e convidaram os novos alunos a participarem dos encontros do grupo, disponibilizando inclusive o acervo pessoal de gibis compartilhado por Adriano e Danilo. Embora a ECA já conte com um grupo de estudos de Histórias em Quadrinhos, formalizado pelo Observatório, o grupo idealizado pelos 3 alunos e batizado de Educomics já vem realizando encontros para debater temas relacionados ao uso das HQs em sala de aula semanalmente. Danilo apresentou as possibilidades encontradas nas histórias de Allan Moore, enquanto Adriano reforçou o convite aos alunos para que participassem do grupo e falou sobre os objetivos do Educomics, divulgando também a página no Facebook que serve como uma extensão do projeto para que sejam debatidos tópicos pertinentes aos temas propostos e Natália falou sobre os projetos acadêmicos que podem surgir a partir das HQs, usando como exemplo um artigo que está escrevendo sobre o papel da mulher em uma história da Jean Grey de X-Men. O professor Waldomiro Vergueiro foi o convidado especial do curso de Educomunicação para falar sobre a relevância dos estudos sobre Quadrinhos e de como é importante que compartilhemos nossas experiências em eventos como estes. Ressaltou que tanto o Observatório como o Educomics só têm a crescer com a troca promovida pelos dois grupos. Seguindo a programação do Observatório, a Prof.ª e psicanalista Valéria Yida coordenou a apresentação dos capítulos 2 e 3 do livro Quadrinhos: História moderna de uma arte global, de Dan Mazur e Alexander Danner - tradução brasileira publicada pela Martins Fontes em 2014.  Valéria explicou que com o declínio dos super-heróis por volta dos anos 1970, muitas HQs underground surgiram e alguns dos desenhistas da Marvel deixaram a editora, como foi o caso de Steve Ditko (Homem-Aranha e Doutor Estranho), Jim Steranko (Nick Fury, agente da Shield) e Jack Kirby. Neal Adams estreia nos quadrinhos em 1967 com desenho acadêmico e técnica impecável. Possuía domínio da anatomia e um sombreado tracejado. Suas histórias eram ambientadas no mundo real e seus heróis eram psicologicamente mais elaborados. Ainda nos anos 70, Enemy Ace de Joe Kubert apresenta personagens mais realistas com uma narrativa sofisticada nos quadrinhos de guerra, porém, não teve o reconhecimento como Hugo Pratt em Corto Maltese, ou Jean Giraud em Tenente Blueberry. Com desenhos mais futuristas, Jack Kirby – Quarteto Fantástico e Poderoso Thor - vai para a DC em 1970 e seus super-heróis recebem ares de deuses. Em 75 retorna à Marvel. Em 1971 Gil Kane e Archie Goodwin lançam Blackmark: pequena edição em brochura, para ser vendida em livraria ao invés de bancas de jornais com ficção pictórica em preto e branco. Não há bordas dos quadros, uso de tipos no lugar da escrita à mão. Então, vieram os artistas nascidos após a 2ª guerra e que formavam uma comunidade de fãs da EC e passaram a publicar sua arte em forma de fanzines. Eles foram buscar inspiração em artistas do início do século XX das tiras de jornal, como Alex Raymond (Flash Gordon), Hal Foster (Príncipe Valente); em ilustradores de revista Howard Pyke, como Charles Dana Gibson; das revistas em quadrinhos de romance, terror e faroeste dos anos 1950 dos artistas da EC Comics, como Wallace Wood, Johnny Craig, Alex Toth, etc. A técnica usada consistia no uso de caneta de pintura e nanquim para conferir aos personagens uma anatomia clássica com o contraste de luz e sombra. Os temas giravam em torno do terror, ficção científica, espada e bruxaria. Em 1972 Berni Wrightson e Len Wein lançam o Monstro do Pântano em estilo gótico e sombrio, chiaroscuro, como um filme de terror. Em 73 Wein, juntamente com Michael Kaluta empresta seus traços expressionistas para conferir uma atmosfera noir ao clássico O Sombra, que além dos ângulos exagerados, apresentava personagens retorcidos e estilizados. Finalizando a apresentação, Valéria falou sobre o encontro do Mainstream com o Underground, pontuando os seguintes acontecimentos: 1974: Mike Friedrich, editor e escritor da DC e Marvel abre uma pequena gráfica para publicar Star Reach, antologia em p/b de FC e fantasia, lançou material novo até 1979. Nesta época: rede de lojas especializadas em quadrinhos. Trabalhos fugiram do Código de Censura aos Quadrinhos: nudez, sexo e violência podem aparecer. Ao longo da apresentação alguns colegas fizeram comentários que contribuíram para esclarecimento de questões ou complementação de informações, entre eles, Waldomiro Vergueiro, Gazy Andraus e Roberto Elísio. Para concluir o evento, o professor Waldomiro convidou todos para o próximo colóquio que acontecerá no dia 10 de abril de 2015, nas instalações da ECA – USP e eu, Daniela Marino, compartilhei que, por ocasião do dia internacional das mulheres, os artistas Hector Lima, Pablo Casado e Mario Cau lançaram uma HQ online e gratuita chamada Pão e Rosas e que pode ser conferida no link http://ficticia.org/blog/112841674211/leia-pao-e-rosas-de-hector-lima-mario-cau-e-pablo-casado. Sem mais a relatar, segue a ATA redigida por mim, Daniela Marino, e revisada por Regina Behar e Edilaine Correa, São Paulo, seis de março de 2015. 




quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Ata do Colóquio Científico do Observatório de Histórias em Quadrinhos, realizado em 06 de fevereiro de 2015



Em seis de fevereiro de dois mil e quinze, ocorreu o primeiro Colóquio do Grupo de Pesquisa em Histórias em Quadrinhos da ECA-USP do ano, reunindo pesquisadores, professores e estudantes com interesse no debate sobre a Nona Arte sob a coordenação do Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro. A reunião teve início às 20:00 horas, nas dependência do Prédio Central da Escola de Comunicações e Artes, Sala 260, com a presença de Roberto Elísio dos Santos, Nobuyoshi Chinen, André Moreira de Oliveira, Douglas Pigozzi, Gazy Andraus, Moisés Baptista,  Regina Behar, Diego Andrade, Maurício Kanno, Luiz Salles, Cristiane Santana Mathias,  Lucas Rocha, André Campos de Carvalho, Lielson Zeni, Jerônimo Strehl, Francisco de Assis, Simone Tinti, Washington Luiz dos Santos, Beatriz Carvalho, Carlos Daniel S. Vieira, Zilmara Pimentel,  José Luiz dos Santos, Luciano Thomé,  Diego de Keikhove,  Valéria Yida, Perivaldo Oliveira de Souza, Nicole Louise, Karina Goto, Joaquim Ghirotti e Efrem Pedroza.  Dando início à reunião o Prof. Waldomiro, como de praxe, agradeceu a presença de todos e solicitou aos novos visitantes/integrantes, breve apresentação a respeito de seu interesse na área de histórias em quadrinhos e pelos trabalhos do grupo de pesquisa. Em seguida, trouxe ao conhecimento de todos a aprovação de três novos pesquisadores na seleção do Programa de Pós-graduação da ECA-USP sob sua orientação: Beatriz Carvalho (mestrado), Carlos Daniel S. Vieira (mestrado) e Douglas Pigozzi (doutorado), solicitando aos mesmos que fizessem uma apresentação resumida sobre seus projetos de pesquisa. Dando prosseguimento, informou sobre a defesa e aprovação, nesse mesmo dia, da tese de doutorado de Juscelino Neco de Souza Junior, intitulada “O discurso autobiográfico nos quadrinhos: uma arqueologia do Eu na obra de Roberto Crumb e Angeli”, desenvolvida sob sua orientação. A referida tese, bem como um exemplar do International Journal of Comic Art, vol 16, nº. 2, circulou pela sala, para apreciação dos presentes. O professor Waldomiro deu os novos informes sobre as 3ªs Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, a se realizar em São Paulo, entre 18 a 21 de agosto de 2015. O evento, cuja primeira chamada já se encontra no ar, tem Comissão Científica em processo de constituição e, durante a semana que se inicia em 9 de fevereiro, divulgará a 2ª chamada com prazos e regras para a apresentação de trabalhos. O professor informou, também, a confirmação da participação de convidados internacionais no evento,  a exemplo de Trina Robbins, uma das lideranças do movimento feminista nos quadrinhos underground nos Estados Unidos e expoente na pesquisa sobre as mulheres nos quadrinhos; Ian Gordon, historiador norte-americano, autor de obras como Comic Strips and Consumer Culture, 1890-1945 e Film and Comic Books, bem como o pesquisador inglês Paul Gravett. Aberta a palavra para outros informes, o quadrinista e pesquisador Gazy Andraus lembrou aos presentes os prazos para envio de trabalhos para o congresso da ASPAS (Associação de Pesquisadores em Arte Sequencial) com encerramento previsto para o final de fevereiro. O professor Roberto Elísio fez informes sobre HQs recentemente lançadas tais como a Coletânea de Histórias da Marvel feitas no Brasil (uma série não autorizada), novo exemplar da Arquivo X-Man, Coletânea de Histórias de Vampirela, entre outras. O professor Nobuyoshi Chinen por sua vez, complementou citando obras da Editora Marsupial: as biografias do Marcartti, de Ivan Saidenberg e de Primaggio Mantovi, esta última de autoria do próprio Nobu Chinen. Concluída essa etapa de informes, iniciou-se a atividade prevista em convocação-convite para o colóquio, ou seja, a discussão do primeiro capítulo do livro Quadrinhos: História moderna de uma arte global, de Dan Mazur e Alexander Danner - tradução brasileira publicada pela Martins Fontes em 2014. A discussão foi realizada sob a coordenação de nosso colega Maurício Kanno. O pesquisador apresentou o esquema geral do livro, que se propõe a tratar do percurso histórico dos quadrinhos nos Estados Unidos, na Europa e no Japão, principalmente a partir do final dos anos 1960 e do movimento underground. Na introdução, os autores apresentam uma breve retrospectiva histórica dos quadrinhos nos espaços nacionais indicados e, no primeiro capítulo, tratam do movimento Underground norte-americano e dos desdobramentos posteriores ao declínio do mesmo. O capítulo apresentado por Maurício debate os autores, temas e publicações do período underground em seu viés contestatório, independente e inicialmente artesanal, que se confrontou com a vertente de quadrinhos industriais, afirmando a trajetória autoral de diversos e geniais autores que inovaram o campo da produção das HQs. O movimento se afirmou como parte da onda contra cultural da qual fazem parte o movimento hippie, a contestação do consumo capitalista e dos valores burgueses, a ascensão do rock, o uso das drogas, o movimento feminista e a defesa do amor livre. O enfoque ou caráter underground, presente nesses quadrinhos, afirmou fundamentalmente a liberdade de expressão, desafiando as regras e a legislação (Comic Code) que disciplinavam e restringiam a criação dos artistas de HQ. Esses quadrinhos traziam temas sobre drogas, sexo, vícios e perversões, crítica à hipocrisia da sociedade americana, feminismo e, outros, além de inovações temáticas, formais e a afirmação de traços autorais que os pesquisadores inventariam em imagens. No primeiro capítulo, os autores apresentam o movimento de forma panorâmica iniciando com a referência à obra de Robert Crumb como principal expoente do movimento underground e, apresentam outros autores, como Denis Kitchen, Gilbert Shelton, Jay Lynch, Clay Wilson, Kim Deitch, Melinda Gebbie, Trina Robbins, Aline Kominsky, Greg Irons, Richard Corben, George Matzger, entre outros. A obra traz a referência de revistas do período em que veiculavam a produção desses quadrinistas, como a Zap Comix, Mad Reader, a feminista Tits & Clits; personagens emblemáticos como Mr. Natural, Fritz, The Cat, Binky Brown, etc. Após o boom do underground, o movimento coletivo se esgotou em decorrência de fatores como edição de leis que dificultaram o esquema de vendas, o fim da conjuntura de contestação radical reduzindo o efeito de choque e o apelo mercadológico que as temáticas-chave dos quadrinhos underground exerciam sobre o público. A partir de meados dos anos 70 se afirmava um momento de criatividade e renovação independente ou alternativa, encampada por autores da geração underground, sendo marco desse novo momento a iniciativa de Art Spiegelman e Bill Griffith com a publicação da revista Arcade, The Comics Revue, em 1975. Nesse momento, abre-se espaço para a vertente de não-ficção representada por narrativas críticas de caráter histórico e político, autobiografias e memórias. Concluída a discussão do texto, iniciou-se a segunda apresentação da noite, enfocando a dissertação de mestrado de autoria de Efrem Pedroza Bezerra, intitulada Will Eisner’s the Spirit: o fascínio da imagem na arte sequencial defendida e aprovada no Programa de Pós Graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP em dezembro de 2014. Resumidamente, o pesquisador trouxe à discussão as especificidades do super-herói criado por Eisner, caracterizado por suas limitações humanas, pelas “falhas” e ausência de superpoderes, um perfil na contramão do típico super-herói americano, cujo modelo emblemático é o Superman. Concluída a discussão do trabalho, a sessão foi encerrada, sendo a próxima reunião do Colóquio marcada para o dia seis de março, no mesmo horário e local, quando serão discutidos os capítulos dois e três da obra indicada, sob a coordenação da colega Valéria Yida. Sem mais, a relatar, segue a ATA redigida por mim, Regina Behar, São Paulo, seis de fevereiro de 2015.

Maurício Kanno e Efrem Pedroza, coordenadores das discussões no Colóquio Científico realizado em 06 de fevereiro de 2015

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Abertas as inscrições para as 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos



Já estão abertas as inscrições para as 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, evento que ocorrerá dos dias 18 a 21 de agosto de 2015, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Organizadas pelo Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA/USP, as Jornadas têm o objetivo de servir de ponto focal para as pesquisas sobre quadrinhos produzidas nas diferentes regiões do país e também no exterior. Além de dar visibilidade a tais estudos, o encontro acadêmico visa contribuir para promover um intercâmbio de conhecimento entre os temas abordados e os seus respectivos autores

O evento terá conferências de convidados nacionais e internacionais, mesas-redondas, sessões temáticas com comunicações individuais e debates. Também contará com lançamentos de livros
teóricos e venda de publicações em quadrinhos.

Interessados podem obter mais informações e inscrever-se no site do evento: http://www2.eca.usp.br/jornadas/.

Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Site das 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos



Já está no ar o site das 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, que ocorrerão de 18 a 21 de agosto de 2015, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo

Tal como aconteceu nas vezes anteriores, todas as atividades do evento serão centralizadas pelo site, por meio do qual ocorrerão as inscrições, o envio dos resumos e trabalhos, a divulgação de circulares e resultado das avaliações, bem como a emissão dos certificados de participação.

desenho de abertura do site, que também será utilizado em outdoors, posters, camisetas e todos os materiais distribuídos aos participantes é de autoria do experiente desenhista Will, a quem ficamos extremamente agradecidos.

Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro