terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Site das 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos



Já está no ar o site das 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, que ocorrerão de 18 a 21 de agosto de 2015, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo

Tal como aconteceu nas vezes anteriores, todas as atividades do evento serão centralizadas pelo site, por meio do qual ocorrerão as inscrições, o envio dos resumos e trabalhos, a divulgação de circulares e resultado das avaliações, bem como a emissão dos certificados de participação.

desenho de abertura do site, que também será utilizado em outdoors, posters, camisetas e todos os materiais distribuídos aos participantes é de autoria do experiente desenhista Will, a quem ficamos extremamente agradecidos.

Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Anais eletrônicos das 2as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos

Logo


Já estão disponíveis os Anais Eletrônicos das 2as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, realizadas em agosto de 2013.

O acesso aos textos apresentados no evento pode ser feito no endereço http://www2.eca.usp.br/anais2ajornada/anais2asjornadas.php.

Infelizmente, motivos alheios à nossa vontade atrasaram a publicação dos Anais, que está ocorrendo só agora. 

Pedimos desculpas pelo atraso e agradecemos pela compreensão de todos os participantes. Esperamos que os anais eletrônicos atendam a todas as expectativas. 

Dúvidas e esclarecimentos podem ser dirigidos diretamente aos coordenadores do evento.

Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

1a circular das 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos

A 1a Circular das 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, que serão realizadas de 18 a 21 de agosto de 2015, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, já está disponível. 

Organizado pelo Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA/USP, espera-se que o evento prossiga em sua trajetória de sucesso, reprisando as duas primeiras Jornadas, nas quais tivemos a apresentação de uma média de 180 trabalhos científicos, além da presença de importantes conferencistas nacionais e internacionais. 

A circular é transcrita abaixo.

Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro



terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Programa Gibideia entrevista coordenador do Observatório de Histórias em Quadrinhos

O Programa Gibideia, da Visual Art-TV, entrevistou no último dia 12 de dezembro de 2014, o coordenador do Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP, Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro, que falou sobre sua carreira, seu trabalho na pesquisa em quadrinhos, suas preocupações com o avanço na pesquisa e da atuação do Observatório de Histórias em Quadrinhos na área.

A entrevista, realizada por Edilaine Correa, foi ao ar em 18 de dezembro de 2014 e inaugura programa de entrevistas com periodicidade mensal, dedicado às histórias em quadrinhos. Desejamos muito sucesso ao programa e à Visual Art-TV, que certamente vêm trazer uma contribuição inestimável para o avanço das histórias em quadrinhos em nosso país.

O programa pode ser assistido no endereço https://www.youtube.com/watch?v=izv4c9i_89s&noredirect=1.

Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro

Ata do Colóquio Científico do Observatório de Histórias em Quadrinhos, realizado em 12 de dezembro de 2014



Em doze de dezembro, o último Colóquio Científico do Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP de 2014 reuniu pesquisadores, alunos e interessados por discussões acadêmicas, novidades do mercado livreiro assim como notícias sobre eventos relacionados às artes gráficas. Presidida pelo Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro, a reunião iniciou-se às 20:00 horas com a presença das seguintes pessoas: Roberto Elísio dos Santos, Nobuyoshi Chinen, André Moreira de Oliveira, Douglas Pigozzi, Omar A. Sanchez, Gazy Andraus, Moisés Baptista,  Regina Behar, Marcelo Buzzoni, Diego Andrade, Celbi Pegoraro, Renata Farhat Borges, Paulo Ramos, Maurício Kanno, Luiz Salles, Cristiane Santana Mathias, Juscelino Neco, Edilaine Correa Gonçalves, Lucas Rocha, Alexandre Gallão e André Carvalho. Justificou ausência: Daniela Marino (por Gazy Andraus). Prof. Waldomiro iniciou a reunião agradecendo a presença de todos e comunicando algumas novidades na área, com destaque para a disponibilização em ambiente eletrônico do mais recente número da revista 9ª Arte, periódico científico do Observatório de Histórias em Quadrinhos (http://www2.eca.usp.br/nonaarte/ojs/index.php/nonaarte/index). Em seguida, fez a apresentação do último capítulo do livro The Power of Comics de Randy Duncan e Matthew J. Smith. O capítulo em questão, intitulado Comics Culture Around the World, tem como ponto de partida as diversas designações da produção quadrinística no mundo tais como: bande dessinée (França), fumetti (Itália), historietas (América do Sul), komiks (Filipinas), lianhuantos, manga (Japão), manshua  (Coréia), tebeos (Espanha), histórias em quadrinhos (Brasil).  Na apresentação deste último capítulo, o Prof. Waldomiro discorreu sobre a abordagem dos autores a propósito da Cultura dos Quadrinhos no mundo. Os autores apresentam a produção de outras regiões culturais como  a francesa ou belga, japonesa, canadense ou mexicana a partir da premissa de uma centralidade no quadrinho norte-americano surgindo como reação ao modelo americano ou sendo estimulada pelo mesmo; O professor projetou diversas imagens ilustrativas em relação à produção nos países aos quais se referiram os autores do livro  e acrescentou outras informações não contidas no capítulo, enriquecendo-o, ao mesmo tempo em que teceu considerações  críticas pertinentes sobre a visão dos autores, em especial à perspectiva centralizadora nos quadrinhos americanos que perpassa toda a obra e reaparece mesmo no capítulo em que os autores trabalham a produção de outros países.  A partir desse viés crítico, complementou com informações extras sobre história e especificidades da produção nos países indicados, tendo tido colaboração do prof. Roberto Elísio nas análises de contexto da produção em diversas décadas. Os ouvintes também teceram algumas considerações, somando informações e análises à discussão proposta para a noite. Após o encerramento do capítulo, tal como previsto em convite encaminhado aos participantes por e-mail, iniciou-se o conhecido amigo secreto com sorteio na própria noite de colóquio, aproveitando para a troca de títulos em quadrinhos de vários artistas e gêneros, comprados ou não na 16ª Festa do Livro da USP, organizada pela Edusp e pela Escola Politécnica da USP realizada  de 10 a 12 de dezembro na Cidade Universitária em São Paulo. Todos se presentearam e posaram para registro em foto efetuada por Luís Roberval Sales, diretor empresarial da Visual Artv, que igualmente registrou em vídeo toda a reunião. O Prof. Waldomiro informou então que o próximo colóquio ocorrerá em 06 de fevereiro de 2015 com pauta a ser definida e encaminhada próxima da ocasião. Também comunicou a todos o livro a ser analisado a partir do próximo colóquio científico: Quadrinhos: História moderna de uma arte global, de Dan Mazur e Alexander Danner, publicado pela Editora Nova Fronteira, de São Paulo, em 2014. Acertou-se, também, que na reunião de fevereiro a coordenação da discussão será realizada pelo jornalista Maurício Kanno. Nada mais havendo a tratar, o prof. Waldomiro, Presidente deste Colóquio agradeceu a presença de todos e desejou ótimas festas e passagem de ano. Para constar, nós, Edilaine e Regina Behar, lavramos a presente Ata, que vai devidamente assinada. São Paulo, 12 de dezembro de 2014. 


terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Entrevista da pesquisadora Valéria Bari ao site Quadrinhos em Questão

Concedida ao site Quadrinhos em Questão em 22 de maio de 2012, a entrevista abaixo, da Profa. Dra. Valéria Bari, pesquisadora do Observatório de Histórias em Quadrinhos da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, apresenta um pouco de sua trajetória de pesquisa e de suas preocupações/motivações na área. Ao transcrevê-la neste blog, buscamos registrar e conservar a produção intelectual dos componentes do Observatório de Histórias em Quadrinhos, e, desta forma, atingir diretamente os interessados pela pesquisa em histórias em quadrinhos no Brasil.

Nascida em São Paulo, Valéria Aparecida Bari graduou-se em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade de São Paulo (USP), em 1990. Ainda na USP, cursou o mestrado em Ciências da Comunicação (2002) e doutorado em Ciência da Informação (2008). No segundo semestre de 2006, cumpriu estágio de pós-doutoramento na Universidad Carlos III, em Madrid, na Espanha. Em 2009, assumiu o cargo de professora adjunta do Bacharelado em Biblioteconomia e Documentação do Núcleo de Ciência da Informação da Universidade Federal de Sergipe (UFS), tornando-se a decana do curso. Além da docência, Valéria atua como pesquisadora no Observatório de Histórias em Quadrinhos (OHQ), na USP e, também, como especialista no Programa de Formação Continuada a Distância em Mídias na Educação “E-Proinfo”, do Núcleo de Comunicação e Educação (NCE/USP).  Na área de Biblioteconomia, atuou, profissionalmente, em acervos especializados, públicos, universitários e escolares. Na área da Arquivologia, atuou em acervos documentais de Medicina, Engenharia Elétrica e Eletrificação, Jornalismo e Editoração. 
Segue-se, abaixo, a entrevista.

Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro




Como surgiu o seu interesse por histórias em quadrinhos?  

Como fui uma leitora precoce, tendo sido iniciada minha alfabetização aos quatro anos, creio que os meus pais tiveram o bom senso de observar que a História em Quadrinhos era a literatura mais adequada para minha faixa etária na época. Eles mesmos, um casal de leitores muito eclético, eram fans do Garra Cinzenta, tira policial do Francisco Armond e Renato Silva, ao ponto de eu não pedir a mão aos meus pais, sempre pedindo que me dessem “a garra”. Seguimos por toda a minha infância lendo em família, sobretudo aos domingos, quando meu pai adquiria o exemplar de O Estado de São Paulo, que neste dia da semana é conhecido como Estadão. Liamos juntos, pai, mãe e minhas duas irmãs, todas as tirinhas da King Features e, mais tarde, outras HQs e entretenimentos no suplemento dominical O Estadinho. Na minha adolescência, estabeleci novas fronteiras para o meu gosto pessoal, utilizando meus recursos financeiros próprios (sem mesadinha, trabalhando) para adquirir títulos da Codecri e da Editora Vecchi, respectivamente as revistas Graúna (do Henfil) e MAD. Paralelamente, fui uma das leitoras mais assíduas e profícuas da Biblioteca Pública Infantil Viriato Correia, além de outras bibliotecas que podia frequentar e tantas outras que ajudei a organizar em minhas poucas horas vagas, pois tive meu primeiro cargo público aos 14 anos.

Quais foram os primeiros quadrinhos que leu? E qual o seu gênero favorito?

A primeira História em Quadrinhos que me recordo de ter lido foi uma tira do Recruta Zero (Beetle Bayley), do Mort Walker, no Estadão, que adoro até hoje.
Meu gênero favorito é realmente o quadrinho autoral (underground), porém submetido a critérios de editoração e qualidade nos quais eu sou muito exigente. Gosto de bons enredos, desenhos com boa arte-finalização, esquemas de personagens bem desenvolvidos, boa editoração, enfim, boa literatura quadrinhística. Mais recentemente, temos a editoração de quadrinhos autorais voltados para as histórias de vida e a reportagem jornalística, estes são especialmente ótimos em minha opinião.


Qual o seu personagem, roteirista e desenhista favoritos? 

Meu personagem favorito, desde que o conheci até a atualidade, é o Homem-Aranha. Ele é um personagem mainstream, da Era de Prata Norte-Americana, que já foi “reciclado” muitas vezes, mas ainda não conseguiram tirar de Peter Parker a “aura adolescente”, o encantamento de uma pessoa que se torna maior que a sua condição de vida, que aprende com seus próprios erros, que se transforma no símbolo do bom vizinho. Na atualidade pós-moderna, muitos incorrem no erro de apagar de suas vidas as cercanias reais, para mergulhar em relacionamentos desterritorializados, e o Homem-Aranha permanece para nos lembrar do “amigo da vizinhança”, significativo nos momentos de convívio ou risco social real.
Meus roteiristas favoritos são dois: Gedeone Malagola e Marcelo Cassaro. O Sr. Gedeone manteve acesa e viva a chama da história em quadrinhos para adolescentes e adultos no Brasil, em plena ditadura militar. Seus roteiros eram cuidadosamente pesquisados e ele sabia “inspirar-se” nas HQs mainstream norte- americanas, na medida certa para criar enredos que somente poderiam ocorrer no nosso Brasil. Quanto ao Marcelo Cassaro, este é realmente um roteirista que sabe narrar, é um contador de histórias, tem um ritmo narrativo que prende a atenção na leitura, é surpreendente, uma mente pensante no meio desta grande crise de criatividade entre os roteiristas do séc. XXI.
Meu desenhista favorito, inigualável, é Winsor McCay, autor da obra Little Nemo in Slumberland. Vejam que é uma produção dos anos 1900 e, até hoje, existem milhões de “homenagens”, “citações”, “cópias” e que tais, inspiradas nesta incrível obra. É um quadrinho autoral e McCay também era responsável pelos roteiros, muito divertidos, que sempre tinham fim quando Nemo acordava em sua cama. As soluções para que Nemo acordasse na posição em que o sonho era interrompido são simplesmente o máximo! Esta obra está em domínio público e pode ser lida pela Internet, vale a pena.


Qual adaptação de HQ que você mais gosta? E a que você detestou? 

A adaptação de HQ que eu mais gostei foi a da obra Dick Tracy, que é uma tira de autoria de Chester Gould. Como este autor utilizava-se em sua narrativa de um grande número de deformações expressivas, creio que o recurso da maquiagem e da interpretação dos atores foi muito bem dirigido, para que a linguagem cinematográfica fosse perfeitamente explorada no enredo (e não no efeito ridículo que isso poderia causar nas telas).
Não digo que tenha detestado alguma adaptação de HQs para o cinema, mas é claro que existem casos nos quais os aspectos visuais foram preservados, os efeitos especiais foram enfatizados, e a verdadeira razão de ser daquele enredo se perdeu. Este é bem o caso da filmagem de Elektra Assassina, adaptada dos quadrinhos de Frank Miller, que foi um filme tristemente fraco, creio que foi de 2005.

Em que momento, os quadrinhos deixaram de ser apenas uma predileção e passaram a ser, também, objeto de estudo para você?
 
No momento em que ingressei no Bacharelado em Biblioteconomia na Escola de Comunicações e Artes – ECA/USP, em 1986. Decidi que, já que ia trabalhar com leitura, faria de minha leitura preferida um recurso para a formação de mais leitores. Assim, poderia ser uma profissional bibliotecária voltada para o êxito dos usuários com relação ao gosto pela leitura, o prazer de ler e a difusão do conhecimento, da arte, da poesia e da felicidade que estão armazenadas nos registros escritos.


Quais pesquisadores você admira? 


Admiro profundamente o Prof. Waldomiro Vergueiro e a Profa. Sonia Bibe Luyten. O Prof. Waldomiro eu conheci desde criança, pois frequentei uma biblioteca na qual ele trabalhava, a do Instituto Biológico, em São Paulo. Eu era então uma adolescente terrível, que queria e consegui ser atendida inúmeras vezes por ele, num espaço especializado e voltado para adultos. Colhi o que plantei, ao reencontrá-lo como um professor muito exigente e erudito, na já referida Escola de Comunicações e Artes – ECA/USP. Ele é um educador de verdade, um pesquisador que contribuiu de maneira vital para a Ciência da Informação no Brasil e jamais deixou de defender o valor e as propriedades da História em Quadrinhos, dentro e fora da academia. Foi meu orientador de TCC, do Doutorado e até hoje estamos trabalhando em pesquisas e publicações conjuntas.
Quanto a Sonia Bibe Luyten, foi aquela pesquisadora idealista e fundamentada que nos trouxe uma das mais proeminentes e importantes pesquisas sobre o Mangá, o que já teria muito valor se não estivéssemos em meio a Ditadura Militar, imaginem que perigo. A coragem da Profa. Sonia e a procedência de suas pesquisas ajudaram a elevar a condição dos demais pesquisadores sobre a História em Quadrinhos e, atualmente, a temos como uma das principais conselheiras e avaliadoras das principais premiações acadêmicas sobre o tema no Brasil.

Como foi o seu primeiro contato com o Observatório de Histórias em Quadrinhos (OHQ)? E como surgiu a oportunidade de integrá-lo?
 
Quando foi aberto o Núcleo de Pesquisas de Histórias em Quadrinhos, no ano de 1990, eu estava concluindo minha graduação em Biblioteconomia. Após um período de empregabilidade, passei a frequentar as reuniões do NPHQ, ao mesmo tempo promovendo oficinas culturais de Redação de Histórias em Quadrinhos e Redação de Aventuras de RPG na Biblioteca do SESC Carmo, a partir de 1991. Desde então, fui me qualificando como pesquisadora no NPHQ. Quando o NPHQ foi renomeado como Observatório de Histórias em Quadrinhos – OHQ, eu já estava apresentando pesquisas próprias e publicando trabalhos vinculados às suas atividades por cerca de uma década.

Em sua tese de doutorado, intitulada O potencial das histórias em quadrinhos na formação de leitores: busca de um contraponto entre panoramas culturais brasileiro e europeu, você analisa a importância dos quadrinhos no desenvolvimento do gosto pela leitura das crianças. Quais as diferenças entre o Brasil e a Europa nesse quesito?
 
A diferença é muito grande. Aqui no Brasil, fomos influenciados por uma obra pseudo-científica sensacionalista, denominada A Sedução dos Inocentes, de autoria de um analista alemão chamado Fredric Werthan. Esse senhor criou uma onda de histeria nas Américas, ao vincular a leitura de Histórias em Quadrinhos à delinquência juvenil, pedofilia, paranoias e adicção por drogas entre os jovens, nos anos 1950. Na Europa, as teorias deste autor foram solenemente ignoradas e os jovens e adultos seguiram lendo seus quadrinhos tranquilamente.
Assim, quando fui investigar a relação com a leitura de histórias em quadrinhos na Europa, descobri que elas eram frequentemente utilizadas como material de formação de leitores, material para estudo de língua falada e escrita por estrangeiros em migração, literatura presente nas bibliotecas públicas e domésticas. Os álbuns são muito bem editados, com qualidade, voltados para um público leitor exigente, estão disponíveis em toda livraria. Também vi muitas comic-stores especializadas, frequentadas por mulheres, crianças, jovens, executivos, com oferta de todo o tipo de quadrinhos autorais, além dos mainstream importados também. Na Espanha, os problemas educacionais derivativos da Ditadura Militar de lá foram dirimidos em duas décadas de trabalho dos educadores, com recursos mínimos, já que a população gosta de ler e valoriza os professores.
No Brasil, mesmo passados 5 décadas da edição da fatídica obra de Werthan, temos um quadro de pouca credibilidade da História em Quadrinhos no ambiente escolar e bibliotecário. As livrarias não se interessam e até deixam de expor álbuns de HQs com destaque, como se estivessem envergonhadas de vender este material. As famílias forçam os jovens a se desfazer de suas coleções, inclusive jogando-as no lixo comum, imaginando que este ato não prejudicará a formação leitora de seus filhos. E isso é muito trágico, num país que tem altos índices de analfabetismo e fracasso escolar. Desta forma, estamos em desvantagem cultural em relação a muitos países dos cinco continentes, que estão economicamente muito semelhantes a nós.

No Brasil, há quase uma década, as histórias em quadrinhos ganharam um status de destaque, principalmente, por conta das edições de luxo (algumas, bastante caras), que estão em abundância nas livrarias. Você acha que o consumo desse material está perdendo o seu caráter popular e se tornando, cada vez mais, elitizado?

Creio que o álbum de luxo vem para dignificar a História em Quadrinhos e fazê-la ocupar novos espaços sociais. O quadrinho de consumo, que compramos nas bancas (e hoje em dia nos supermercados e outros pontos comerciais) é que não pode perder sua importância e sua função. Na verdade, estamos vivendo um momento de aproximação com o cenário europeu e isso é muito bom. Como eu havia descrito, a Europa respeita seus autores e dá aos quadrinhos status literário. Precisamos deste conceito no Brasil, para ampliar as oportunidades de formação de leitores. Os álbuns também são viáveis para a formação de acervos em bibliotecas públicas e escolares, com maior durabilidade e possibilidade de circulação que o “gibi” popular (rapidamente desgastado com o uso).


Muitos leitores e pesquisadores avaliam negativamente a venda de quadrinhos em livrarias. Todos os tipos; desde Maus, de Art Spiegleman, à Turma da Mônica, por exemplo; são expostos numa mesma seção QUADRINHOS, não ocorrendo uma devida avaliação do conteúdo que é colocado à venda. O que você sugere para minimizar essa situação?

As livrarias expõem a História em Quadrinhos de forma primitiva, pois nossa relação no Brasil com esta leitura é igualmente primitiva. A maioria das pessoas que está consumindo HQs na atualidade brasileira ainda não vislumbrou a existência dos gêneros e da produção segmentada por faixas etárias. Porém, grandes redes de vendas de bens culturais à varejo, como a Saraiva Megastore, a Livraria Cultura e outras congêneres já estão cuidando mais da classificação e exposição destas obras, numa tendência que será acompanhada pelos estabelecimentos menores. Esta tendência irá se acentuar, a medida que a Internet começar a representar uma competitividade aos estabelecimentos presenciais, pois a classificação das edições em papel já existe ali, além do que se pode consumir diretamente a HQTrônica.

As gibitecas, atualmente, são uma realidade em várias cidades do Brasil. Na condição de bibliotecária, no que elas podem influenciar em uma comunidade?


As gibitecas, quando bem organizadas e geridas, podem ser UMA POTÊNCIA na formação de leitores, principalmente nas mais tenras faixas etárias, mas também de grande influência na formação de hábitos e gostos leitores dos adolescentes e adultos. Estamos na Era da Informação, ou seja, no momento da história da civilização no qual a leitura adquire um caráter extremamente importante, como elemento indispensável ao pleno exercício da cidadania. Assim, temos que nos apropriar da História em Quadrinhos como nossa aliada na formação de leitores, assim como propagadora de conteúdos complexos na sociedade, nos utilizando de todos os seus recursos linguísticos e afetivos para isso. Pois, afinal, AS PESSOAS QUEREM LER HISTÓRIAS EM QUADRINHOS!!!!

Na foto, da esquerda para a direita: Sonia Luyten, Valéria Bari, Waldomiro Vergueiro, Álvaro de Moya e Moacy Cirne.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Revista Historiae publica artigo sobre imprensa caricata



A revista Historiae, da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), publicou, no v. 5, n. 1, de novembro de 2014, artigo sobre a imprensa caricata no Rio Grande do Sul. Intitulado "A gênese da imprensa caricata sul-riograndense e a Guerra do Paraguai". o artigo é de autoria do Prof. Francisco das Neves Alves, da própria FURG. 


O texto destaca o papel decisivo desempenhado pela imprensa na defesa da causa nacional durante o período conhecido como a Guerra da Tríplice Aliança, quando o Brasil enfrentou o Paraguai. Ao longo do território brasileiro, os jornais divulgavam os episódios bélicos e mantinham um discurso patriótico e de ataque ao inimigo. No Rio Grande do Sul, tal estratégia discursiva foi desempenhada pelo seu primeiro jornal caricato, A Sentinella do Sul, órgão informativo objeto de estudo do artigo.


A íntegra do artigo pode ser acessada online no endereço eletrônico http://www.seer.furg.br/hist/article/view/4806/2978.

Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro